Passar para o Conteúdo Principal Top
Logótipo
  • Youtube
  • Issuu
  • RSS feed

Executivo empenhado em combater praga que põe em risco um dos tesouros do Concelho

Executivo empenhado em combater praga que põe em risco um dos tesouros do Concelho
Executivo empenhado em combater praga que põe em risco um dos tesouros do Concelho
11 Maio 2015

Os presidentes das 25 juntas de freguesia que compõem o concelho valpacense estiveram reunidos com o Presidente e Vice-Presidente do Município, na passada quinta-feira, dia 7 de Maio, para definir estratégias de combate à praga da vespa da galha do castanheiro. Consciente da importância para a economia local da produção de castanha, o Presidente da Câmara Municipal de Valpaços, Amílcar Almeida, e o Vice-Presidente, António Medeiros, não têm poupado esforços para colocar no terreno meios de combate à praga que poderá comprometer a produção do “ouro” das Terras Montenegro, à semelhança do que já se verificou noutros países da Europa, nomeadamente Itália, França e Espanha. Elucidados sobre os perigos e as formas de combate, presidentes de junta e executivo municipal, na sequência da reunião realizada no início da semana com técnicos da Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte e RefCast, reuniram uma vez mais para concretizar o objectivo de colocar no terreno equipas de fiscalização e prevenção. Cada freguesia terá elementos no terreno para averiguar se nos soutos existentes está presente a praga da vespa da galha do castanheiro. Os custos serão suportados na íntegra pelo Município, dada a importância do sector para a economia local e o autarca fez o apelo para que todos estejam atentos ao problema. “A concretizar-se teremos um problema gravíssimo para o rendimento de muitas famílias, por isso estamos a apostar na prevenção e sensibilização dos munícipes. Por outro lado, existem muitos terrenos, propriedade de emigrantes, que portanto não podem verificar os seus soutos, pelo que temos equipas no terreno a analisar castanheiro a castanheiro, a fim de erradicarmos o problema logo que seja detectado para que não se alastre”, referiu Amílcar Almeida. As equipas deverão andar no terreno durante o mês de Maio, período em que ocorre a emergência da vespa em causa.