Passar para o Conteúdo Principal Top
Logótipo
  • Youtube
  • Issuu
  • RSS feed

Empresa e autarquia abordam medidas para atenuar constrangimentos do trânsito na EN 213

20190307 171727 1 1024 2500
08 Março 2019

A Câmara Municipal de Valpaços tem-se empenhado em resolver os problemas do trânsito na variante da EN 213 e, para além do diálogo com várias entidades, visitou a indústria de extracção de óleo de azeitona, onde encontrou uma gerência que se mostrou disponível para colocar em prática medidas para resolver a situação.

 

O Presidente da Câmara Municipal de Valpaços, Amílcar Almeida, tornou pública, no passado dia 1 de Março, a sua preocupação em relação aos sucessivos acidentes que ocorrem no troço da EN 213 e na Variante à EN 213 entre a freguesia de Rio Torto, concelho de Valpaços, e os Eixos, concelho de Mirandela.

A acção foi tomada já depois de ser dada a conhecer a sua posição a entidades como a Infraestruturas de Portugal, a Autoridade Nacional Segurança Rodoviária, a Agência Portuguesa do Ambiente, a Direção Regional de Economia e Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte.

O Município de Valpaços, não obstante de se tratar de um troço de estrada que cai fora da sua competência assim como de uma indústria a cujo licenciamento é alheio, tem insistido junto dessas entidades no sentido de veicular os factos e solicitar a adoção de medidas urgentes para evitar acidentes, contudo, não obteve ainda qualquer resposta.

Assim, a Câmara Municipal de Valpaços, com o intuito de proteger a população que diariamente utiliza a rede viária em questão, encetou o diálogo com os proprietários da AUCAMA, indústria de extracção de óleo de azeitona localizada em Leirós, há cerca de 40 anos, que poderá contribuir para a falta de condições de visibilidade naquele troço.

O Vereador do Ambiente, Jorge Pires, deslocou-se à fábrica em questão e encontrou proprietários disponíveis para adoptar medidas que atenuem os constrangimentos rodoviários. “Ainda que estejamos conscientes de que estamos a laborar como nos últimos cinco anos, todo o ano e não apenas na campanha da azeitona como acontecia, e apenas este ano se verifica este problema, ainda que utilizemos tecnologia de ponta nas nossas instalações e que trabalhemos dentro de todo o quadro que a lei exige, estamos completamente disponíveis para adoptar medidas que atenuem os constrangimentos criados ao trânsito”, referiu o proprietário da AUCAMA.

Para tal, a fábrica vai começar por laborar apenas entre as 11h00 e a 1h00 da manhã e também vai aumentar a altura de uma das chaminés.

Jorge Pires salienta a disponibilidade para o diálogo da empresa, mas acrescenta que será um conjunto de factores que estarão na origem do problema. “Este ano temos tido um inverno atípico, com temperaturas muito altas durante o dia e muito baixas durante a noite, o que facilita a criação de nevoeiro naquela zona. O aumento da bacia hidrográfica, devido às novas barragens do Sabor e do Tua e o vapor de água que é expelido desta fábrica podem igualmente contribuir para adensar tal barreira que compromete indiscutivelmente a visibilidade e a segurança e tráfego rodoviário”, referiu o Vereador, acrescentado que tem esperança que com a adoção das medidas referidas a situação possa melhorar.

Ainda assim, o executivo liderado por Amílcar Almeida continuará a insistir com as entidades competentes a exigir respostas adequadas à situação.