Passar para o Conteúdo Principal Top
Logótipo
  • Youtube
  • Issuu
  • RSS feed

Concelho fustigado pelo mau tempo

Concelho fustigado pelo mau tempo
img_8264
img_8269
img_8296
img_8303
img_8308
img_8318
img_8280
img_8294
09 Julho 2020

A queda de granizo e vento forte que se fez sentir ao final da tarde de ontem, 8 de Julho, destruiu vários hectares de culturas no concelho valpacense. O autarca Amílcar Almeida fez questão de estar com os agricultores no rescaldo da tempestade e na hora de contabilizar prejuízos.

 

Vinha, olival, amendoal e souto são das culturas mais importantes para a economia do concelho e foram também as mais fustigadas pelo mau tempo que se registou nesta quarta-feira, por volta das 18h30, para além dos produtos hortícolas também fortemente afetados.

O Presidente da Câmara Municipal de Valpaços, Amílcar Almeida, informou a Direção Regional de Agricultura e acompanhou a visita dos técnicos a alguns terrenos afetados, estando ao seu lado e mostrando o seu apoio aos agricultores, que vêm anos de trabalho destruído em meia hora de vendaval.

Vinhas completamente destruídas, com perda total da produção, olivais com muita azeitona no chão, foram cenários encontrados nas freguesias de Água Revés, Argeriz, Canaveses, Fornos do Pinhal, Santa Maria de Émeres, S. Pedro de Veiga do Lila, Valpaços e Sanfins, entre outras.

Já na freguesia de Carrazedo de Montenegro e Curros, muitos soutos foram dizimados e muitos ouriços acabaram por cair, como se não bastasse a praga da vespa da galha nos castanheiros, com a qual os agricultores da região travam neste momento uma dura batalha.  

O mau tempo fez estragos ainda em alguns telhados de alguns armazéns e derrubou postes de eletricidade na estrada perto da localidade de Vale de Espinho.

“Tomamos as diligências necessárias para que as entidades competentes se debrucem sobre a tragédia que se abateu sob o nosso concelho, deitando por terra o trabalho árduo e intenso, ao longo deste ano por parte dos nossos agricultores. Estive no terreno e pude ver a dimensão dos estragos. Depois das dificuldades sentidas no que concerne ao escoamento por causa da pandemia, veio agora o temporal destruir o ganha pão de quem trabalha a terra”, referiu o edil.