Passar para o Conteúdo Principal Top
Logótipo
  • Youtube
  • Issuu
  • RSS feed

Assinado protocolo "BioVespa" para combate à vespa das galhas do castanheiro

Assinado protocolo "BioVespa" para combate à vespa das galhas do castanheiro
Assinado protocolo "BioVespa" para combate à vespa das galhas do castanheiro
Assinado protocolo "BioVespa" para combate à vespa das galhas do castanheiro
Assinado protocolo "BioVespa" para combate à vespa das galhas do castanheiro
16 Dezembro 2015
Teve lugar na passada sexta-feira, dia 11 de Dezembro, em Lamego, a cerimónia pública de assinatura do Protocolo de Cooperação designado por “BioVespa”, criado para combater a vespa das galhas do castanheiro. O Município de Valpaços, parceiro no projecto, foi representado pelo Presidente e Vice-Presidente, Amílcar Almeida e António Medeiros, respectivamente.   O plano de ação nacional contra a vespa das galhas do castanheiro, praga que afectou a produção de castanha recentemente, foi formalizado em Lamego, na presença de representantes de dezenas de entidades, nomeadamente da Associação Portuguesa da Castanha - RefCast, direções regionais de agricultura e pescas do Norte e Centro, instituições de inovação e desenvolvimento e municípios. O “Biovespa” tem como objetivo primordial criar a articulação adequada entre a Comissão Técnica e os Municípios visando a implementação da luta biológica contra a vespa das galhas do castanheiro em cada um dos concelhos afectados. Não excluindo outras alternativas, a luta biológica tem sido até ao momento o processo mais eficaz no controlo desta praga que foi detetada no nosso país pela primeira vez em maio de 2014. Tendo como observadores as direções regionais de agricultura e pescas do Norte e Centro, a colaboração de todos os agentes da fileira da castanha é considerada imprescindível para combater esta praga. A implementação de medidas que visam o controlo da referida praga culminou com a realização das primeiras largadas experimentais do parasita “Torymus Sinensis” que se alimenta das larvas da vespa nas zonas onde tecnicamente esta opção foi recomendada. Manuel Cardoso, diretor da Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte, sublinhou a importância dos municípios no âmbito deste processo. O responsável citou, aliás, o exemplo de Valpaços como a seguir na prevenção da propagação da praga, bem como todo o plano municipal que a autarquia liderou na sensibilização aos produtores e deteção de castanheiros afectados. Manuel Cardoso foi, ainda, mais longe e referiu que a iniciativa do Município de Valpaços e a adesão por parte dos produtores à mesma, foi o impulso para a tomada de decisão e implementação do referido plano de acção nacional contra a vespa das galhas do castanheiro. O Presidente do Município Valpacense, Amílcar Almeida, relembrou que a autarquia não tem poupado esforços para combater a praga da vespa do castanheiro e este é mais um passo nesse sentido. “Fizemos várias acções de sensibilização para elucidar sobre os perigos e as formas de combate, tivemos elementos no terreno para apurar os soutos que estavam infectados e os custos foram suportados na íntegra pelo Município”, referiu. O autarca congratula-se com os resultados, mas não descura do problema: “Felizmente conseguimos atenuar os prejuízos e os castanheiros que foram infectados estão em recuperação. Contudo, continuamos alerta e queremos estar na fila da frente no combate a esta praga dada a importância do sector para a economia local”. O sector primário movimenta por ano cerca de 100 milhões de euros no concelho de Valpaços, sendo que a produção de castanha representa cerca de 40% desse valor.